Sai o ‘outplacement’, entra o trabalho colaborativo


O Valor Econômico desta segunda-feira, 12, traz reportagem sobre o novo serviço exclusivo da Produtive no Brasil, o Outplacement 3.0. O CEO da Produtive, Rafael Souto, fala sobre essa nova metodologia. Confira:

logo-valor

Por Stela Campos

Quando o emprego anda escasso, cresce a procura por serviços de recolocação profissional, o chamado outplacement. Contratado pelas empresas que estão demitindo como um benefício para os profissionais desligados ou pelo próprio executivo, esse tipo de assessoria se popularizou muito com a crise no país.

As empresas que atuam na área estão inovando a forma de assessorar esses profissionais em sua transição de carreira, baseados no princípio da construção de redes de trabalho colaborativo. Ao invés de apenas ajudar o profissional a encontrar um novo emprego, a ideia é conectar o assessorado com outros executivos e estimular a criação de negócios, investimentos, ideias e conteúdo.

“Não se trata apenas de fazer networking, mas de produzir um trabalho em conjunto”, diz Rafael Souto, CEO da Produtive Carreira e Conexões com o Mercado. Na sua empresa, o novo serviço se chama “Outplacement 3.0” e inclui a criação de grupos onde executivos, de diferentes setores, se reúnem para elaborar projetos conjuntos. Os encontros presenciais acontecem duas vezes ao mês e contam com a mediação de um consultor da Produtive. Além disso, eles vão estender as conversas em uma plataforma virtual para troca de ideias, estudos e para a elaboração de planos de negócios.

O objetivo, segundo Souto, é que eles unam as suas competências para descobrir alternativas ao emprego tradicional. “Na verdade, estamos trabalhando com o conceito de ‘trabalhabilidade’, que significa buscar outras formas de renda. Muitas vezes é difícil para eles começarem a fazer isso sozinhos”, explica.

A consultoria também está trabalhando com o posicionamento digital do candidato em redes sociais profissionais como o LinkedIn. “Não se trata de produzir um currículo virtual, mas de administrar a imagem do candidato por meio da produção de conteúdos relevantes”, diz Souto.

O serviço de outplacement surgiu nos anos 50 nos Estados Unidos e, no princípio, funcionava como uma ajuda para o profissional que queria retornar para o mercado, mas precisava aprender a se portar em entrevistas de emprego, a preparar o currículo ou uma carta de apresentação. A partir dos anos 90, os executivos passaram a mudar mais de emprego e a dominar esses procedimentos, então começaram a exigir uma assessoria mais ampla das companhias que faziam a transição de carreira. “Elas se tornaram mais ativas na busca de vagas para esses profissionais”, diz Souto.

Atualmente, o foco é ajudar o executivo a se posicionar em um mundo onde o emprego formal não parece ser mais a única possibilidade de trabalho, especialmente para quem já passou dos 50 anos de idade.

Acesse a matéria do Valor Econômico na íntegra. 

permalink | enviar por email
Solicite mais informações

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu telefone (obrigatório)

Unidade Produtive de preferência (obrigatório)

Assunto (obrigatório)

Sua mensagem (obrigatório)

close
Contact us